Sem Correios, moradores de Girassol precisam buscar correspondências a 50km

Unknown | 16:56:00 | 0 comentários


Há cerca de dois meses, a dona de casa Elizabeth Teles dos Santos, 60 anos, não recebe nenhuma correspondência. As contas estão atrasadas. A carta que esperava para poder retirar um dinheiro do INSS, também. Ela mora em Girassol, distrito de Cocalzinho (GO), a 50km do centro do município goiano e a 126km do Plano Piloto.

 Até o início de junho, uma agência comunitária dos Correios funcionava a algumas ruas da casa dela, mas precisou ser fechada por falta de verba. A prefeitura recebia R$ 1.420, 29 do órgão federal, insuficientes para cobrir as despesas do posto. Desde então, a população ficou sem o serviço. “A agência mais próxima fica perto da avenida principal de Cocalzinho, e a passagem até lá custa R$ 13, ida e volta. Não tenho dinheiro. Então, dependo da boa vontade de algum vizinho que possa trazer as nossas cartas”, lamenta Elizabeth.

Segundo a prefeitura de Cocalzinho, o posto de Girassol existia desde 1998, quando foi assinado um convênio com os Correios. “Naquela época, o dinheiro repassado pelo órgão bastava, pois a demanda era menor. Mas, atualmente, o distrito tem 12 mil habitantes, e os gastos do estabelecimento ultrapassavam os R$ 7 mil”, explica o prefeito do município, Alair Gonçalves. Outro dos problemas é que, como a agência era comunitária, não havia carteiro. Os moradores precisavam ir até o estabelecimento para buscar a correspondência, o que sobrecarregava o posto. “Recebíamos entre 10 mil e 15 mil cartas e encomendas por mês. Ficou insustentável”, conta o funcionário municipal Clarindo Silva Moreiro, lotado na agência de Girassol.

O convênio entre a prefeitura de Cocalzinho e os Correios venceu em 25 de maio. Antes disso, Gonçalves notificou a instituição e pediu que assumisse as despesas do posto de Girassol. Os Correios, no entanto, justificaram que a unidade de Cocalzinho cobriria as necessidades da população. Assim, o posto comunitário ficou abandonado. Em 28 de maio, o local sofreu uma tentativa de assalto. Na semana seguinte, funcionários dos Correios levaram todos os equipamentos, deixando o prédio vazio. “Para que a agência fosse reaberta, entramos com uma ação contra o órgão no Ministério Público Federal (MPF), e o parecer da Justiça foi favorável a nós. Uma audiência foi marcada para 5 de agosto”, diz o prefeito.

Fonte e foto: Correio Braziliense

Categoria: , , ,

Espalhe por aí

0 comentários